Some Fun.

Because that's all they really want.
~ Friday, December 7 ~
Permalink
Segue o teu destino,Rega as tuas plantas,Ama as tuas rosas.O resto é a sombraDe árvores alheias.A realidadeSempre é maios ou menosDo que nós queremos.Só nós somos sempreIguais a nós própios.Suave é viver sóGrande e nobre é sempreViver simplesmente.Deixa a dor nas arasComo ex-voto aos deuses.
Ricardo Reis/Fernando Pessoa

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é maios ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós própios.

Suave é viver só
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.


Ricardo Reis/Fernando Pessoa


445 notes
reblogged via psycholife
Permalink
4 notes
reblogged via psycholife
Permalink

(Source: animal-poison)


144,857 notes
reblogged via psycholife
Permalink

11,310 notes
reblogged via psycholife
Permalink
Assim como falham as palavras quando querem exprimir qualquer pensamento, Assim falham os pensamentos quando querem exprimir qualquer realidade.
Mas, como a realidade pensada não é a dita mas a pensada, Assim a mesma dita realidade existe, não o ser pensada. Assim tudo o que existe, simplesmente existe. O resto é uma espécie de sono que temos, Uma velhice que nos acompanha desde a infância da doença.
Alberto Caeiro, 1-10-1917

Assim como falham as palavras quando querem exprimir qualquer pensamento,
Assim falham os pensamentos quando querem exprimir qualquer realidade.

Mas, como a realidade pensada não é a dita mas a pensada,
Assim a mesma dita realidade existe, não o ser pensada.
Assim tudo o que existe, simplesmente existe.
O resto é uma espécie de sono que temos,
Uma velhice que nos acompanha desde a infância da doença.

Alberto Caeiro, 1-10-1917

(Source: futilehybrid)


130,787 notes
reblogged via psycholife
~ Monday, May 21 ~
Permalink

3,180 notes
reblogged via psychodelic
Permalink
Querida, cada passo corta o sertão
como pura águia faminta.
Teu portão fica a dois passos
Da minha leve perfeição.
Eu bebi meu próprio choro…

Querida, cada passo corta o sertão

como pura águia faminta.

Teu portão fica a dois passos

Da minha leve perfeição.

Eu bebi meu próprio choro…


(Source: blazeberg)


1,190 notes
reblogged via letterbomb
Permalink

Permalink

52,246 notes
reblogged via psycholife
Permalink
2,103 notes
reblogged via psycholife